• Facebook
  • Google Plus
  • Apple
  • Android
  • Mobile
  • RSS
Oeste recebe o Europeu de Jovens de Orientação Pedestre de 24 a 27 de outubro
Publicado em 25.Oct.2013

Pela segunda vez este ano, a Orientação portuguesa enverga o seu traje de gala para receber uma competição internacional inteiramente dedicada aos mais novos. Depois dos Campeonatos do Mundo de Desporto Escolar ISF de boa memória, disputados em Abril passado no Sotavento algarvio, é agora a vez dos concelhos de Peniche, Caldas da Rainha e Óbidos receberem os Campeonatos da Europa de Jovens EYOC 2013. A festa vai começar!

Portugal foi o País escolhido para substituir Israel na organização do 15º Campeonato da Europa de Jovens EYOC 2013. Face à instabilidade política e ao facto de não estarem reunidas as necessárias condições de segurança naquele País do Médio Oriente, o European Working Group viu-se forçado a fazer regressar à “estaca zero”, no início deste ano, todo um processo que se encontrava “em fase de acabamento”. No curto espaço de duas ou três semanas, a Federação Portuguesa de Orientação pôs em marcha uma candidatura suficientemente convincente e que levou o EWG a selecionar o nosso País como um dos possíveis organizadores do EYOC. “Estávamos em Fevereiro, a oito meses, portanto, do evento”, recorda António Amador, o seu Diretor Geral, acrescentando que “neste curto espaço de tempo fizemos o necessário para garantirmos um grande evento, não apenas tecnicamente, com bons terrenos e percursos, mas também com toda a logística essencial para que os participantes possam ter uma estadia memorável em Portugal”.

E é precisamente isso que se espera que suceda neste EYOC 2013. Com o “quartel-general” do evento instalado no fantástico espaço da Unidade da INATEL na Foz do Arelho, aos participantes oferece-se desde logo a possibilidade de desfrutar dessa vista deslumbrante sobre a Lagoa de Óbidos, no seu ponto de confluência com a vastidão do Oceano, as margens de verde cobertas, as ilhas Berlengas bem lá ao longe. E se este conjunto de edifícios – outrora o magnífico palácio de Francisco Almeida Grandella – fez história durante a Primeira República, é de História e de histórias que se irão fazer os três dias do EYOC 2013, num evento que constituirá, seguramente, um marco na vida dos 362 atletas de 32 países que aqui marcarão presença (a Macedónia, responsável pela organização do EYOC 2014, foi o último País a inscrever-se no evento).

Programa recheado

A prova de Sprint, a disputar no interior das muralhas da medieval Vila de Óbidos, abrirá as hostilidades na tarde da próxima sexta-feira. A manhã de sábado será dedicada à prova de Distância Longa, tendo como palco a zona de floresta de Ferrel, no concelho de Peniche. E será de novo no concelho de Óbidos, no mapa de Vale Benfeito e em terrenos em tudo semelhantes aos da véspera, que o EYOC 2013 conhecerá o seu epílogo, com a disputa da prova de Estafetas, na manhã de domingo.

As provas serão disputadas em quatro escalões distintos (M/W16, para os nascidos em 1997 ou depois, e M/W18, para os nascidos nos anos de 1995 e 1996), com cada país a poder apresentar um máximo de quatro atletas por prova e por escalão, à exceção da prova de Estafetas, onde esse número é confinado a três elementos por equipa. Importa ainda referir que a Cartografia do evento tem, toda ela, a assinatura de Luís Sérgio, a quem está igualmente atribuída a responsabilidade pelo traçado de percursos da prova de Sprint. José Fernandes e Bruno Nazário são os traçadores de percursos das provas de Distância Longa e de Estafetas, respetivamente.

Os atletas

Finalmente, os atletas. São eles a alma de qualquer evento e este, em particular, reveste-se de capital importância na vida de qualquer jovem orientista. Que o digam os suiços Daniel Hubmann ou Matthias Kyburz, o russo Andrey Khramov ou a dinamarquesa Emma Klingenberg, que aqui conquistaram as primeiras medalhas das suas notáveis carreiras internacionais. Que o diga também Diogo Miguel, extraordinário triunfador nessa memorável jornada de Eger (Hungria), no dia 22 de junho de 2007, oferecendo à Orientação portuguesa o primeiro ouro da sua história.

É, pois, com o sentido da vitória, que todos os participantes sem exceção estarão no EYOC 2013, embora se deva atribuir algum favoritismo à República Checa, grande dominadora das anteriores edições do certame, logo seguida pela Suiça, Suécia e Rússia. Entre os “notáveis” presentes, merecem uma referência especial a polaca Anjelika Maciejewska, duas vezes medalha de ouro no EYOC 2012 e uma das figuras dos recentes Mundiais de Desporto Escolar. Também o letão Uldis Upitis, a espanhola Yara Bores Escudero, os eslovacos Dusan Slamá e Martin Smelik ou o britânico Dane Blomquist serão nomes a ter em conta, sobretudo depois dos recentes triunfos nos Mundiais de Desporto Escolar. Mas as nossas atenções viram-se, justificadamente, para o Campeão do Mundo de Desporto Escolar de Distância Média, António Ferreira, na certeza de que procurará repetir em Peniche e Óbidos aquele mesmo ouro que o consagrou em Monte Gordo (Vila Real de Santo António), no passado dia 17 de Abril.

 

Tudo para acompanhar em http://eyoc2013.fpo.pt/

Seja o primeiro
a comentar
este artigo.

Envie o seu comentário

Todos os comentários que colocar mostram o seu nome. Ao enviar um comentário está a aceitar os nossos Termos e Condições.

*Campos obrigatórios